28 outubro, 2012

Ela tem nome!

To tão feliz que finalmente decidimos o nome da nossa caçula… parece até que acabei de descobrir a gravidez. Numa noite dessa semana eu estava mais uma vez procurando um nome e enviei pro marido (que estava em outro cômodo da casa, abafa) duas sugestões:


Então nossa lista ficou assim:

Maya: Curto e simples. Tem mesma escrita e pronúncia em português e inglês, uma grande vantagem. Nós dois gostamos, mas não "caimos de amores". Pra mim parece que ainda falta alguma coisa, mais uma letra, sei lá. 

Katie: Acho que foi o que marido mais gostou. Eu gosto em inglês mas acho que não funciona em português, já que a pronúncia fica "Keiri". Marido perguntou porque não só Kate então, já que apesar da escrita em inglês, pelo menos tudo mundo sabe pronunciar certo, "Keite". Mas pra mim fica como Maya, parecendo que ta faltando alguma coisa.

Kylie: Tá, a escrita também não funciona em português, mas gamei no nome. "Kaili". Tentei algumas escritas diferentes, colocando "a" na primeira sílaba pra ficar melhor de se ler em português, mas daria a pronúncia de "ei" em inglês. Por exemplo Kayle em português vira "Keil" em inglês. E como vivemos aqui, a preferência da escrita é em inglês, of course.  Ainda fiquei um pouco assim por causa do "li" em Leah e Kylie, mas quando se gosta não tem jeito né? Acho que era esse o nome que eu estava procurando, curto, simples mas não tanto, com um toque "diferente". Ah sei lá, gostei e pronto. Hehe E batemos o martelo.

Vem aí baby Kylie!!!    

23 outubro, 2012

Los buchos de 20 semanas


Olhando as fotos da gravidez de Leah tive essa idéia de tirar uma foto igual pra comparar as barrigas.  Dessa vez o bucho ta um pouquinho maior, mais alto e mais bonito, vai. Já na gravidez de Leah meu rosto tava mais inchado.

Toda a gravidez de Leah minha barriga foi "compacta". Quando cheguei no hospital pra ter o bebê, sorridente e com aquela barriguinha, as enfermeiras duvidaram que eu estava em trabalho de parto. Até veio um médico pra me ver e disse que como eu era pequena era pra esperar um bebê pequeno. Leah nasceu com 3.195 kg e 48 cm, super normal. Ta parecendo que dessa vez também não vou ficar enorme, melhor pra mim, apesar de achar lindo aqueles barrigões a ponto de explodir... hahaha 

To na fase só flores da gravidez, não tenho mais enjoos, não tenho mais cansaço, não tenho mais fome louca.  A barriga aparecendo pra mostrar que estou gravida, mas sem incomodar. Ainda durmo quase que de bruços. A única coisa que sinto são os movimentos da bebê que é uma delícia e mal posso esperar pra sentir uns chutes bem fortes e ver minha barriga toda torta.

19 outubro, 2012

Últimas de Leah

*Enquanto olhávamos penicos pra decidir qual comprar, Leah puxa da prateleira uma banheira, entra nela e começa a chupar o dedo pra fingir que era bebezinha. Fez mesma coisa brincando na pilha de folhas. Oi, de onde ela tirou isso?

*No dia seguinte que compramos o penico Leah acorda, pego ela e levo pro nosso quarto pra deitar mais um pouquinho. Ela sai e pouco depois escutamos "Papai, vem ver. Vem ver, Papai!" Ela tinha tirado a calça e a fralda e estava sentada no penico. Não fez nada, mas foi fofo. Ela adora ir usar o penico, mas fazer alguma coisa mesmo, nada. Percebi que ela ainda não tem controle, não sabe reconhecer a hora certa de ir e eu to criando coragem pra ajuda-la com isso.

*Eu preparando o café da manhã e o papai se  arrumando pro trabalho. Cadê Leah? A encontro peladona dentro da banheira pedindo pra tomar banho. Tirou toda a roupa e ainda jogou o fralda no lixo. Ama um banho. Às vezes ela vai logo cedo tomar banho com o pai e quando eu vou tomar banho, ela toma de novo.

*Adora ajudar a preparar coisas na cozinha. Não pode me ver fazendo nada, que já chega falando "juda mamãe, juda". E não é só cozinhar, ela gosta de ajudar em tudo. Guardar os pratos, lavar roupa, varrer a casa.

*Mesmo agente só falando papai e mamãe, ela começou  por conta própria a falar pai e mãe. Humf! Não nos chama assim sempre, mas tem chamado mais do que eu gostaria.

*Adora um iPhone ou iPad. Ela que com um ano e meio já  conseguia destravar a tela, localizar a pasta com os aplicativos dela e escolher o próprio jogo; agora consegue jogar quebra cabeças e jogo da memória. Sabe como botar música pra tocar. Sempre pergunta se eu quero dançar e solta o som. Adora também tirar fotos. As mãe pira com a High Tech Generatition.

*Papai a botando dormir. Ela não queria deitar, queria colo. Ele então diz "Tá bom, só um pouquinho". Pega ela por 30 segundos e a deita na cama de novo. Ela então fala apontando pra fralda "cocô, papai". Papai olha e diz "não tem cocô não". Ela então solta um "Ah, ok" e se agarra no pescoço dele. Perceberam o plano astucioso da menina pra conseguir mais um pouquinho de colo?

*Começou uma mania de falar com eco-co. Principalmente palravas terminadas com som de tch e dje. Ex: watch-tch, catch-tch, orange-ge...

15 outubro, 2012

19 semanas da segundinha



Quase a metade gente! Quando engravidei já imaginei que ia passar rápido mesmo. Já estamos no final de ano e quando 2013 chegar em um pulo ela nasce.   

Essa foto é uma ilusão de ótica. Foi tirada quando eu tava pra completar 17 semanas. O bucho ainda não ta desse tamanho todo. Devo ter dado uma enchida na hora e angulo ajudou a parecer maior. Pelo menos eu acho. Vai que sou que to iludida... haha

Tem umas duas semanas que eu acho que sinto a bebê mexer. Vi no laudo da ultrasom que fizemos no Brasil que minha placenta tá anterior, ou seja, na frente. O que dificulta pra sentir os movimentos. Ah, que coisa linda sair da clínica com um laudo da ultrasom, tem todas as informações e até medidas do feto! Amei. Aqui você sai no máximo com umas fotinhas. 
Às vezes sinto como se um pipoca tivesse estourado aqui dentro, mas é tão, tão fraquinho que eu fico na duvida se foi mesmo ela. Não da pra sentir nada por fora. Papai ta morrendo de ansiedade, vive com a mão grudada na minha barriga esperando sentir um chutezinho. Tão diferente da gravidez de Leah que tão logo eu achei que senti alguma coisa, ele botou a mão e sentiu também, soubemos na hora que era ela chutando.

Ela ainda não tem nome. Ta difícil a escolha. A gente tava esperando ouvir aquele nome que na hora você diz "é esse!", sabe? Como foi pro marido quando me ouviu dizer o nome Leah. Mas duvido que isso vá acontecer. Já devo ter visto todos os baby girl names desse mundo e a gente não se apaixona por nenhum. Eu tinha uma quedinha pelo nome Ellie, mas marido não gosta e diz que não vai dar o nome de uma letra pra filha. Outro que ele não gosta e eu considerava era Emily. Estamos paquerando os nomes Maya, e Talya (Tália, agora percebi que a segunda sílaba é o nome da irmã. Ih, mais um descartado...) e ainda procurando por um "amor a primeira vista". Gostamos de nomes curtos, simples, não muito comuns nem muito estranhos, que funcione em inglês e português. Sugestões? Ou alguém me ensina um mandinga pra fazer o marido gostar dos nomes que eu gosto?

12 outubro, 2012

Pensamentos sobre desfralde

Meu primeiro pensamento sobre desfralde foi: não tenho pressa. Nunca me agradou a idéia de ficar limpando xixi e cocô no chão da casa. Na minha idealização Leah mostraria interesse e usaria o penico por conta própria. Eu não a deixaria sem fraldas, mudaria pra pull-ups pra facilitar na hora de se despir e assim evitaria acidentes pela casa. Na verdade acho até que isso seria possível a toda criança se as déssemos tempo para tal. Acredito que o processo de desfralde é como qualquer outro marco de desenvolvimento. Sentar, engatinhar, andar... Nós pais queremos ver o filho fazendo o quanto antes aquilo que irão naturalmente fazer em seu próprio tempo. Acontece que o que a sociedade considera média pra sair das fraldas está muito abaixo do que seria o tempo natural da criança. Tão logo uma criança aprende a falar xixi e cocô é considerada pronta pra desfraldar. A Laura Gutman, no livro Maternidade e o Encontro com a Própria Sombra, fala muito bem sobre isso no capítulo que a Cris postou aqui.

Existe por aí milhares de métodos pra tirar as fraldas da criançada. Já vi até método pra desfraldar criança de 18 meses em um dia. Desses métodos vou pegando idéias boas que posso utilizar e outras que com certeza não quero fazer. Sou a única que não gosta da idéia de dar uma recompensa (doce, pior ainda) toda vez que ela usar o penico?; E de encher a criança de suco nos dias de treinamento pra ela fazer bastante xixi?; De simplesmente tirar a fralda e deixar a cria de calcinha o dia todo, fazendo todas as necessidades nas calças pra perceber o momento de usar o penico?; Nem de penico itinerante, que vai pra todo canto da casa?

Lá no começo do ano, enquanto cuidava de uma menina de dois anos, tirei do armário um redutor de assento que tinha desde que cuidava de outra criança antes de Leah nascer. Foi quando Leah aprendeu, sem querer, pra quê aquilo servia, ela tinha 17 meses. E depois que deixei de cuidar da menina, o redutor continuou no banheiro por vários meses porque Leah sempre pedia pra fazer xixi ou cocô nele. Mas pra ela era só uma brincadeira, nunca fazia nada. Acabei guardando o redutor porque eu não queria negar quando Leah pedisse pra usar, e ela pedia muito só pra brincar, então eu sempre tirava a fralda, a sentava lá e esperava o tempo que fosse até ela dizer que tinha acabado. E como as vezes eu não dava pra interromper alguma coisa pra botar ela no vaso de brincadeirinha, o redutor voltou pro armário. Ela sabe muito bem pra quê serve o vaso sanitário. Ontem mesmo, depois de já ter feito cocô na fralda, ela foi pro banheiro, levantou a tampa do vaso e disse que queria fazer cocô alí. Se ela ao menos pedisse antes de fazer o serviço...

É natural que com a chegada de mais um bebê eu queira que ela esteja o mais independente possível. Mas quem disse que saber usar o penico é ser independente? Eu ainda irei precisar limpá-la, jogar os dejetos fora e higienizar o penico. Vamos combinar, trocar fralda é bem mais fácil! Também penso muito em como será quando estivermos fora de casa depois que ela estiver desfralda. Só de pensar em levar ela nos banheiros públicos me da vontade de nunca tirar as fraldas dela! hehehe

Vou sim começar o desfralde, mas o que considero o começo do processo não quer dizer já tirar as fraldas e esperar que ela faça os serviços no penico. O que quero começar agora é aumentar o contato e o entendimento dela com o assunto. Ela conhece bem o vaso sanitário, mas não é ele que ela já vai usar. Seria bem mais prático se ela usasse o redutor de assento e fizesse as necessidades já no vaso, assim eu não precisaria limpar penico, mas ela precisa poder usar sozinha e eu já testei, mesmo botando um batente pra ela subir, ela ainda não conseguiria sentar no vaso sozinha. Então preciso mesmo providenciar um troninho. Vou pegar livros e videos sobre potty training na biblioteca e comprar o penico pra que ela se familiarize com tudo. Quero explicar pra quê serve o penico, mas não vou cobrar, nem esperar que ela já o use. A idéia é incentivar pra que ela se interesse em usar. 

11 outubro, 2012

É tempo de mudança

Juro que não é propaganda política. Hehehe 

Eu estava esperando voltar pra casa, depois das férias no Brasil, pra fazer umas mudanças por aqui com a pequena Leah. Primeiro seria passar ela do berço pra cama e segundo começar o desfralde.

Na verdade eu queria já mudar o quarto todo. Fazer uma nova decoração e tirar os móveis de bebê: berço, cômoda/trocador e poltrona (que vão pra irmã), e deixar no quarto só a cama e uma estante com  livros. Mas o orçamento não ta deixando nem mesmo comprar um colchão pra botar no chão e fingir que é um quarto Montessoriano. Hahaha Meu plano era pra quando a gente chegasse do Brasil ela já ter a cama, mas não deu. Lá pra botar ela pra dormir eu deitava com ela na cama e a esperava dormir. Como ela passou um mês lá dormindo numa cama comigo (e depois num colchão no chão quando o papai chegou) eu não queria voltar pra casa e botar ela no berço novamente. Então logo que chegamos retiramos a grade lateral do berço, transformando numa mini cama. Na noite que chegamos em casa eu estava tão cansada que fui dormir às hr 8:00. (Contei que voltamos todos no mesmo dia e mesmo horário, mas marido foi em um voo diferente? E que esqueci o carrinho de bebê no brasil e andei horrores nos aeroportos carregando Leah e uma bolsa feita de chumbo? E Leah deu muito trabalho já no primeiro vôo me fazendo chorar junto com ela? Entonces, cheguei em casa um caco). O pai que cuidou de tudo e nem sei como ele fez pra botar ela pra dormir a primeira noite em sua caminha. Ela acordou de madrugada e não queria deitar. Não gostou de acordar e ver que estava sozinha no quarto, queria colo. Como tava demorando pra ela dormir e eu estava com a bexiga cheia, fui ao banheiro e chamei o pai, ele que botou ela pra dormir de novo. Ela continuou a acordar nas madrugadas dos primeiros dias, mas não foi pela mudança do berço pra cama e sim de voltar a dormir em um quarto sozinha. Agora já ta dormindo a noite toda. Ela ainda não consegue abrir a porta porque as maçanetas aqui são redondas. Daí quando acorda ela bate na porta pra gente ir abrir. Coisa fofa.  Mais pra frente quero deitar ela cama, dar boa noite e sair do quarto, mas por agora a gente ainda fica no quarto até ela dormir e tá tudo indo muito bem.


Quanto ao desfralde, não comecei ainda. Estou amadurecendo a idéia. Depois faço um post sobre isso.                                                    

09 outubro, 2012

Mãe de familia comete crime só para ser presa e passar um tempo sozinha

Gente, vi esse video e não aguentei, tinha que postar aqui, tudo a ver com a blogosfera materna. Ri muito!! E quem não se identifica?



Vale lembrar que se trata de um programa de humor. Não é real.

07 outubro, 2012

De volta ao lar

To morrendo de saudades de passar mais pelos blogs. Agora que estamos em casa e eu ja dei uma organizada nas coisas por aqui espero conseguir postar mais frequentemente, visitar e comentar nos blogs das amigas.

Depois de um mês delicioso no Brasil estou de volta à rotina e já com muita saudade. Contando com a viagem a NY, que foi coladinha, foram praticamente 5 semanas fora de casa. Eu ja tava mal acostumada com a vida boa. Hehehe Aqui o outono ta lindo e friiiio!

Leah teve um rico contato com as primas, a vovó, os tios e a língua portuguesa. Tinha sempre alguém pra brincar com ela, que dó voltar pra casa. Mas daqui uns meses chega a irmãzinha pra agitar nossas vidas. Como esperávamos, ela desenvolveu bastante o português. Ta tão tagarela, falando quase tudo. Passou a falar em português algumas palavras que só falava em inglês, mas outras ela continua falando em inglês e misturando tudo, como "você" e o verbo "querer". "You pega mamãe!" ou "I want tirar a blusa." By the way, a menina só quer viver sem blusa.

E assim foi nossas férias: