22 janeiro, 2013

Desfraldando. Ou não.

Dois meses atras comecei a pensar sobre desfralde, que escrevi aqui. Compramos o penico e livrinhos pra pequena se familiarizar com o assunto, sem pretensão de fazê-la usar o penico ainda. Leah ficou super empolgada e ela mesmo ia lá, tirava a roupa e sentava no trono, mas nada fazia. E como se era de se esperar, sem maior incentivo, ela perdeu interesse e o penico ficou encostado. Eu ainda não sabia o que fazer pra ajuda-lá nesse processo, e tinha muita preguiça. Pensar em leva-lá pra usar banheiros públicos era o que eu precisava pra empurrar o assunto com a barriga. Barriga essa que cresce a cada dia e também a idéia de que a chegada da irmã poderia causar muitos xixis pela casa me fez deixar pra pensar mais sobre isso depois que a caçula nascesse. Leah não parecia estar pronta mesmo. Mas me dei conta que eu precisava fazer minha parte. Que ela não iria milagrosamente se desfraldar sozinha. Eu precisava leva-lá ao penico com freqüência. O que seria bem mais complicado de se fazer tendo outra pra cuidar. Criei vergonha na cara e resolvi me jogar nessa.

Bolei um plano. Primeiro, a preparação: durante alguns dias ler os livrinhos e assistir desenhos relacionados pra refrescar o assunto na cabeçinha dela. Segundo, as tentativas: depois da preparação, na segunda-feira, eu começaria a leva-lá ao penico com freqüência, tipo de hora em hora ou de meia em meia hora ou de 15 em 15 minutos, sei lá.

A Preparação

Quinta-feira: Se eu chegasse pra Leah com um livrinho sobre o assunto, certeza que ela não iria querer ver aquele e iria escolher outro. É sempre assim. Ela tem pra lá de 60 livros, sempre escolhe os mesmos pra ler, e não aceita nunca uma sugestão. Então o que eu fiz foi guardar todos os livros, deixando de fora somente os sobre desfralde. E mais 2 sobre gravidez e outro sobre irmãs (porque ela também precisa se preparar pra chegada da irmã e também pra coitada ter um pouquinho mais de opções). Na hora da soneca quando abriu a porta do armário onde fica os livros, ela soltou: "Mamãe, look, it's gonne muitos". Acho que só a mãe mesmo pra entender essa sentença. Hehehe Ela quis dizer que os muitos livros haviam se acabado. Lemos dois livros e ela amou as historias de fazer xixi no penico. A noite, ela escolheu os mesmo dois livros. 

Sexta-feira: Mesmos livros antes da soneca e antes de dormir a noite. Também saímos pra comprar fraldas pull-ups e calcinhas. Eu que detesto produtos de personagens, brinquedos e roupas principalmente, deixei ela se jogar nos personagens pra se animar. Escolheu pull-ups da Dora e calcinhas da Minnie.

Sábado: Continuamos com os mesmos livros. Não consegui achar quase nada relacionado no YouTube pra ela assistir. Tem mais vídeos do Sesame Street, mas Leah não gosta de Sesame Street. Quis mostrar a ela a diferença dela bebê e agora, uma criança grande. Imprimi uma foto dela bebê, outra dela agora, uma fralda, um penico, cocô e xixi. Cortei, plastifiquei e fizemos um joguinho. Mostrei que bebê faz xixi e cocô na fralda e que criança faz no penico. Enfatizei que ela não é mais bebê, que agora ela é grande, é uma criança. Também estou parando de chamar ela de baby... :)

À noite quando eu estava indo trocar a fralda e botar o pijama pra ela dormir, ela vê o penico e pede pra fazer xixi. Sentou e no mesmo segundo se levantou. Eu ia deixar por isso mesmo, mas falei: "Espera aí Leah, você tem que esperar um pouquinho pra o xixi vir. Fica aí sentada que eu vou pegar um livro pra você ver enquanto espera". Claro que ela tinha que dizer "Esse não!" para o livro que eu trouxe, e saiu (pelada) pra pegar outro. Eu, achando que não ia dar em nada mesmo continuei sentada no chão do banheiro esperando ela voltar, quando escuto xixi caindo no chão. "LEAH!!!" (com voz alterada, ops!) Quando chego no quarto, com toda docura: "você ta fazendo xixi, meu amor, vamos pro penico!" E carrego a cria pro banheiro, mas a agitação parou o processo e não caiu nem uma gotinha lá. Enquanto limpo o chão digo pra ela sentar lá de novo pra ver se tem mais xixi. E num é que ela foi lá e fez mais um pouquinho. Fizemos a festa, ela jogou o xixi no vaso, deu descarga, todo mundo deu tchau pro xixi. Como eu fiquei feliz por ela ter pedido. E se não tivesse se levantado teria feito tudo no penico. Morri de orgulho, passei o resto da noite pensando no ocorrido, toda besta.

Domingo: Não pretendia começar a levá-la já no penico, mas depois do ocorrido na noite anterior, quando eu ia ao banheiro, a chamava pra ir comigo. E conseguimos três xixis no penico! Sucesso! Fiquei super animada com a coisa toda.

Mas claro que tava bom demais pra ser verdade. Claro que Leah não ia deixar isso ser assim tão fácil pra mim. E veio a segunda-feira pra mostrar a realidade...

As tentativas

DIA 1

Um fiasco. Fracasso total.
Toda vez que eu levava ela no penico, ela já havia feito na fralda.
Botamos pull-ups ao invés de fralda, ela adorou a novidade, mas não atendeu o pedido de não fazer xixi na Dora.
Começou a recusar quando eu chamava pra ir ao banheiro, fez escândalo. E agora? Levar mesmo quando ela diz não? Sentar ela lá na marra, com ela berrando? Medo de traumatizar a criança ou dela se revoltar com essa coisa toda.
Colei na parede um poster que veio com um dos livros, expliquei que quando ela fizesse xixi no penico ela ganhava um adeviso de estrela pra ela e outro pra colar no poster.
- Vamos tentar fazer xixi agora?
- Não!
Fail.
Peguei então o peniquinho de um boneca, que eu havia pegado emprestado com minha cunhada, e sem que Leah visse botei um poquinho de água dentro e deixei no banheiro ao lado do penico dela. Enquanto brincávamos na sala fingi a voz da boneca pedindo pra fazer xixi e sai correndo com ela pro banheiro. Leah veio atrás falando "Me too, me too". Funcionou pra que ela sentasse no penico, mas nada de xixi. Então viu que a boneca havia feito e ficou encantada, numa alegria só. "You fez, baby!! Iêêêêê!!" Beijou a boneca, jogou o xixi da boneca no vaso, deu tchau e tudo mais.
A boneca passou a ir junto em todas as idas ao banheiro.
Botei água no penico da boneca outra vez e a boneca ganhou e colou uma estrelinha no poster.
Leah passou o resto do dia dizendo que queria colar uma estrela também e a gente explicando que ela ganharia uma só quando fizesse xixi no penico.
O dia acabou e não teve nenhuma gotinha de xixi no penico o dia inteiro.
Ai que desânimo.


DIA 2 

O dia começou com idas frequentes ao banheiro, sem sucesso. 
Deixar ela de fralda ou pull-up não vai dar certo. Ela tem que sentir quando fizer xixi. 
Partimos pras calcinhas então. Leah ficou toda feliz com sua calcinha da Minnie e com um minuto de uso, e logo depois de ter ido ao penico e não ter feito nada, ela grita "xixiiiiiii", enquanto o líquido escorre pelas pernas. Ai meus sais. 
Mas vamos lá, é assim mesmo né? Trocamos a calcinha e dessa vez botei uma calcinha de plástico por cima, assim ela iria sentir quando fizesse xixi e não molhava o carpete. 
Voltamos pra brincar lá em baixo e 10 minutos depois, marcado no relógio, levei ela ao banheiro e o que vejo? Ela já havia feito na calcinha de novo! Sério mesmo?! 
Outra troca de calcinha, dessa vez sem a de plástico por cima, vai que foi por causa da plasticuda que ela nem ligou quando fez xixi nas calças a segunda vez? 
Peguei um livro, o que é com fotos de uma menina de verdade ao invés de desenhos e que Leah não o havia escolhido pra ler ainda, pra ver se uma revisada no assunto ajudava a coisa porque Leah já tava ficando de saco cheio de ir ao banheiro direto. 
Ela não quis ver o livro comigo, mas começei a ler pra mim e chamei a menina do livro de Leah e logo ela se interessou. Bem na parte que tem um acidente (xixi no chão), Leah olha pra baixo e lá está: xixi no chão. Vai pro penico ver se sai mais. Nada. 
Outra calcinha. Voltamos pro livro e logo que termina o que acontece? Mais xixi. Sério? Ela faz xixi de 2 em 2 minutos, tá furada, ou o quê? Sacanagem com a mãe, só pode ser. Mais uma vez ela foi removida rapidamente até o penico e dessa vez fez mais um pouquinho no bendito. Comemorei meio que forçada e Leah ganhou sua primeira estrelinha. 
4 calcinhas sujas em menos de 20 minutos. Isso é vida? Provavelmente era tudo uma xixizada só que ela resolveu fazer a prestações. 
Agora ela havia esvaziado, não é possível que ela fizesse de novo em menos de 10 minutos.
Continuei levando a fofa ao banheiro com espaços entre 10 e 15 minutos. Em uma das idas ela fez o xixi e ganhou a segunda estrelinha. 
Enquanto eu botava o almoço teve xixi no chão. 
Depois do almoço teve xixi no penico. 
Um pouquinho antes da soneca achei que ela tava querendo fazer cocô. Ela ficou um bom tempo lá, mas só fez um tiquinho de xixi.
Quando acordou fez xixi no penico. 
Enquanto ela dormia botei água no penico da boneca e deixei ela lá no banheiro. É bonitinho demais a reação de Leah quando vê que a boneca fez xixi... hehehehe
Fiz corpo mole, e porque demorei pra levar, ela fez xixi nas calças 2 vezes. Ainda bem que ela tava com a calcinha de plástico por cima. Pelo menos me livrei de xixi no chão e no tapete da sala. 
Ela deu uma saidinha com o pai antes da janta e passou o resto da noite de pull-up. 
Fez xixi no penico antes de ir dormir.
Depois de ler o livro pra dormir ela pediu pra fazer xixi e fez mais um poquinho.
Não fez cocô o dia inteiro.
Um tempinho depois de botarmos ela na cama, ela me chama e diz que fez xixi. Digo que tudo bem, ela ta de fralda. Ela diz que quer fazer cocô. Digo que ela está inventando e que vá dormir. Ela diz que quer escovar os dentes. Digo que já escovou. Ela diz que quer água. Ela quer tudo, só não quer dormir. 
Pouco tempo depois ela chama de novo e fala novamente em cocô. Ela deve mesmo ta querendo fazer, não fez o dia inteiro. Levo ela no banheiro. Nada. É malandragem mesmo. 
Volta pra cama. Ela me chama de novo e fala em cocô pela terceira vez. Me preocupo, mas não acredito muito nela. Falo que se quiser mesmo fazer, que faça na fralda. Ela começa a falar "não faz xixi cama, né?" Pronto, além de constipada agora a menina não dorme com medo de fazer xixi na cama. Falo que tá tudo bem porque ela ta de fralda. Dou tchau e vou-me. 
Ela ainda me chamou mais uma vez, mas esperei um pouquinho, ela não chamou mais e dormiu. Ufa!


E foi só o segundo dia... Ai minha nossa senhora das mães desfraldantes, tem dó de mim. Dái-me força, entusiasmo, paciência, sabedoria e criatividade pra seguir com esse processo.

19 janeiro, 2013

32 semanas e a consulta

E finalmente fomos a uma consulta. Na verdade era pra ter sido na semana passada, cheguei lá toda serelepe e saltitante só pra ouvir que o médico que iria me atender, por algum motivo não estava lá e eu precisava remarcar a consulta. Parece que o povo adora fazer grávida sofrer de ansiedade. Remarcamos para o quanto antes e ontem finalmente o dia chegou. Depois de tanto tempo sem ver um médico eu estava ansiosa pra confirmar que está tudo bem com minha pequerrucha. O pessoal do hospital não gostaram nadinha de saber que passei praticamente a gravidez toda sem acompanhamento pré-natal. Se antes eu não tava ligando pra ter um médico certo, agora nem querendo. Tentamos marcar com o médico que me acompanhou na gravidez de Leah, mas ele não tinha vagas tão cedo e como eu já estou com a gravidez avançada eles só me jogam pra seja lá quem tiver uma vaga mais cedo. Foi até bom não ter tido a consulta na semana passada que seria com um obstetra porque a vaga seguinte mais próxima aconteceu de cair com uma midwife (enfermeira-parteira). E eu amay a midwife! Só que quando se faz acompanhamento com midwives é assim: o hospital tem 8 midwifes e nem toda consulta é com a mesma. Normalmente a grávida acaba conhecendo todas as midwives e também é apresentada ao resto da equipe, o obstetra responsável caso precise, outras enfermeiras etc e tal. Como já estou na reta final vai ser impossível conhecer todas. Mas olha como eu to sortuda, minha próxima consulta será com a mesma linda que me atendeu ontem. Isso se me permitirem continuar com as midwifes, porque elas só acompanham gravidez de baixo risco e como eu não fiz acompanhamento nenhum e elas não tem o histórico da minha gestação, estão considerando minha gravidez de alto risco até que se prove o contrário. Pode uma coisa dessa? Se não vi necessidade de ir antes justamente por estar bem e saudável... vai entender. Dia 31 irei fazer os exames de sangue, teste de glicose e ultrasom e aí o hospital vai ter toda a informação que querem. Até agora tá tudo muito bem, a enfermeira me examinou toda, ta tudo normal, pressão boa, 10 quilos a mais. Bebêa ta ótima, de cabeça pra baixo, coraçãozinho a 148 bpm. A enfermeira foi tão boazinha e atendeu meu pedido pra fazer uma ultrasom. Não é um exame mesmo de ultrassom, é uma máquina portátil que elas trazem na sala só pra dar uma olhadinha mesmo, geralmente usam na primeira consulta só pra confirmar a presença do feto e dos batimentos cardíacos, mas nessa máquina não da pra diagnosticar nada, pra isso é preciso um exame mesmo no lugar apropriado que é o que vamos fazer dia 31. Mas pelo mesmo demos uma olhadinha rápida na bebêa, ela tava toda danada, não parava de se mexer um segundo, até a vi piscando o olhinho, coisa linda, um amor! To tão animada pra ver ela melhor daqui alguns dias. Uma pena que não deixam levar criança, queria tanto levar Leah pra ver a irmãzinha.    

A foto mais recente, 31 semanas e alguns dias

15 janeiro, 2013

O cantinho de brincar e as artes


Quando nos mudamos pra essa casa passamos vários meses sem usar o basement (porão) porque a gente não tinha nada pra botar lá. Até que os brinquedos de Leah começaram a tomar conta da sala na mesma época que compramos uma televisão maior, no black friday de 2011. Foi quando passamos a "habitar o basement". Todo sem jeito, de um lado a TV nova com um sofázinho velho e do outro os brinquedos de Leah nos cantos das paredes. Digo que o basement é nossa área de lazer, metade o cantinho de brincar de Leah, metade nosso cineminha e vamos melhorando aos poucos. Pro nosso lado ainda falta adquirir um sofá digno e pro lado de Leah tinha 3 itens/ brinquedos que eu queria pra transformar o espaço dela numa área legalzinha de brincar: uma mesa, uma cozinha e um easel. 

Depois desse natal posso dizer que o lado de Leah está completo. Ela ganhou a mesa no natal de 2011 e a cozinha no natal de 2012. Quando a sogra me pediu uma sugestão de presente pra Leah falei logo do easel e que tinha um bem baratinho na Ikea, onde compramos a cozinha. Não sei como se chama easel em português, é essa coisa aqui:


De um lado quadro negro, do outro quadro branco e segura rolo de papel pra pinturas. 

Pronto, com a cozinha e o easel iriam encher os espaços vazios e o cantinho de Leah iria ficar completo. Mas eis que a sogra não resistiu quando viu essa tenda na Ikea e comprou também. A tenda é linda e grande, mas Leah já tinha uma casinha de papelão que eu fiz pra ela. Humf. E onde eu iria botar? Pensei em deixar guardada até a casinha de papelão se destruir. Pensei em botar a casinha no quarto de Leah, mas não ficava legal. O jeito foi apertar as coisas pra que a casinha e a tenda coubessem no basement. Agora o cantinho está super lotado e ta proibida a entrada de mais brinquedos grandes nessa casa. 



Leah brinca com as duas. A tenda pode até ser mais bonitinha, mas a casinha que eu fiz é mais resistente. Rá! Leah sobe em cima pra pular no sofá e ela continua lá, firme e forte. O bom da tenda é que cabe o papai dentro. Agora Leah nem me chama mais pra entrar na casinha, ela carrega o papai pra tenda. Hahaha

Daí peguei o impulso com a superlotação do cantinho pra fazer uma decoração nas paredes que eu havia planejado há muito tempo e não tinha feito ainda. Eu queria botar o alfabeto na parede dos fundos, dese jeito aqui. Lindo demais, mas o marido acha feio, pode uma coisa dessa? Então resolvi fazer um varalzinho pra pendurar as artes/ crafts de Leah. Dessa vez nem perguntei o que o marido achava, só disse que ia fazer e pronto. :D

O varalzinho é uma ótima maneira de expor as obras e incentivar o talento das crianças. É melhor ainda quando a criança já vai pra escola e volta sempre com um trabalhinho, ou crianças maiores que adoram fazer um desenho pros pais. Assim você não vai acumulando tudo numa gaveta e vai mudando as artes expostas. E é super fácil de fazer. Eu comprei dois puxadores de gaveta, tirei o parafuso e colei na parede com uma fita adesiva própria pra pendurar coisas leves na parede; amarrei uma cordinha e pintei pregadores de roupa. Pronto.   


Em exposição no momento se encontra a árvore de natal que Leah decorou em um play date com amiguinhos, uma colagem que ela fez com adesivos, o penguim que fiz com ela em uma atividade de "cortar e colar", e duas pinturas. 

Em outra parede está os quadrinhos:


Os quadrinhos do elefante e da girafa ganhei em um sorteio no blog da Ivna. O marido dela que pintou. Até parece que foram pintados justamente pra esse cantinho, adorei. Obrigada Ivna e maridão Eros! Os outros dois são da minha pequena artista. Adoro que a borboleta tem uma asa mais larga que a outra e a flor borrada, fica ainda mais com cara de criança. =) 

09 janeiro, 2013

Atividades pro inverno: A volta pra ginástica

Em abril passado, Leah fez uma classe de ginástica através do PAIIR, o programa da comunidade de educação do estado que oferece classes/ atividades pra crianças pequenas. O PAIIR funciona por estação e a duração das aulas não são muito longas. Essa classe de ginástica deles é de 4 sessões (uma vez por semana). Eles tem várias classes em datas diferentes então dá pra inscrever a cria mais de uma vez se quiser continuar fazendo por mais tempo, mas também tem que pagar a lapada toda de uma vez. Como eu quero que Leah fique constante na ginástica, dessa vez fomos direto no ginásio (academia de ginástica? to sem saber traduzir) e cadastramos ela como membro, o valor da mensalidade é o mesmo de uma classe do PAIIR e tem a vantagem dela continuar fazendo e parar quando quiser. Mas também é só uma vez por semana e eu queria Leah em alguma atividade pelo menos 2 vezes por semana. 

Olhei nas aulas do PAIIR pra esse inverno atrás de mais uma atividade pra Leah e a inscrevi numa aulinha de música já que eu acho que não faço muito bem estimulando ela em música. Essa classe se chama "Musical Journey", é pra crianças de 2.5 - 5 anos e tem duração de 5 semanas. As crianças tem contato com uma variedade de instrumentos, auxílio visual e movimentos, e o instrutor ensina as crianças, e os pais, tradicionais canções que fazem parte da cultura. Ótimo pra mim que não tenho idéia dessas canções tradicionais. As aulas iriam começam sexta-feira, mas eis que ontem recebo uma ligação avisando que a aula foi cancelada por não haver crianças inscritas o suficiente. Ah, sério? Mudei pra turma que começa em fevereiro. Mas essa ainda tinha 10 vagas disponíveis e considerando que geralmente esse é o tamanho das turmas (7 -10 alunos em média) acho que vão cancelar de novo. Serei eu a única mãe nessa cidade interessada nessa aula? Daí agora em janeiro Leah vai ficar só na ginástica mesmo.

Hoje fomos pra primeira aula na ginástica e Leah não foi tão bem. Primeiro durante o aquecimento as crianças corriam de um ponta a outra da sala e Leah ficava parada só olhando, depois ela entendeu e fez também. Fez um pouquinho do alongamento seguindo o professor, mas depois ela não queria ser dita o que fazer, só queria brincar do jeito dela com o bambolê. Quando passamos pra sala com os circuitos ela fez direitinho as barras de equilíbrio, mas na segunda vez ela quis fazer, queria ir pra outro obstáculo. Depois o professor botou cada criança praticando em um obstáculo por um tempinho e depois reversava, de novo Leah só fazia uma vez e já queria mudar, ela não gostava de ficar repetindo. Por último foi o trampolim, o que ela tava mais animada pra fazer, esse ela fez, voltou pra fila e esperou direitinho a segunda vez. Ela até conseguiu pular no trampolim segurando um bloco de esponja nas pernas, o que eu achei que seria difícil e que ela não iria conseguir fazer.

Ela curtiu a aula, eu vi um monte de pontos que ela precisa melhorar. Manter ela na ginástica vai ser ótimo não só pra aprender habilidades motoras, mas também pra aprender disciplina, a seguir instruções, esperar a vez, seguir uma ordem, repetições, etc. Assim espero.

02 janeiro, 2013

Dois e meio

Aos 2 anos e meio, Leah:

• Adora dançar.

• Adora tirar a roupa. Passa maior parte do dia sem blusa e parece não sentir frio.

• Usa fraldas e não demostra interesse nem preparação pro desfralde.

• Não gosta de me ouvir cantar durante o dia. Mas não reclama quando canto pra ela dormir.

(Uma vez na contação de histórias cantou-se uma música que tem também um livro, Baby Beluga. Achei a música super fofa e pelo jeito que quase todas as crianças cantaram o refrão percebi que era um clássico e comprei o livro pra Leah. Cheguei em casa empolgada pra aprender a música mas logo que abri a boca pra cantar, Leah com cara de choro falou "não, não". Ela nunca me deixa cantar essa música e não quer nem saber de ver o livro comigo. Depois de Baby Beluga quase toda música que tento cantar, Leah já solta: "não canta, mãe!" Poxa, não sabia que minha voz era tão ruim assim.)

• Brinca muito com a imaginação, tá sempre imaginando coisas, criando. Adora fingir que é um cachorro: engatinha, lambe, late e respira feito cachorro.

• Pega-pega com esconde-esconde é uma das brincadeira favoritas.

• Gosta de estar em controle nas brincadeiras. Ela que diz o que você deve fazer, como fazer e onde fazer. Tem que ser do jeito dela.

• Mickey Mouse é o desenho favorito do momento e por ela passaria o dia inteiro assistindo.

• Tem um ritual de despedida: três beijos (um em cada bochecha e um na boca) e um abraço. Às vezes ela aumenta o ritual dando também beijos de borboleta (e tem que ser nos dois lados do rosto), beijo de nariz e um carinho em cada orelha. Ela faz esse ritual todos os dias ao se despedir do pai quando ele sai pra trabalhar, ou em mim quando está saindo com o pai, faz com cada um de nós antes de dormir, às vezes faz o ritual de despedida até mesmo quando o pai fala que vai ao banheiro.

• Fica feliz demais quando o pai chega do trabalho e não tem um dia sequer que ela não saia correndo e gritando de felicidade pra dar um abraço nas pernas logo que ele entra em casa.

• Come bem, raramente se recusa a comer e quando faz eu uso alguma distração e vou dando a comida. Ela nunca termina uma refeição completa por conta própria, começa a comer mas antes da metade já ta distraída e agitada, e aí eu tenho que terminar de dar a comida pra ela e usar muito da criatividade pra manter ela na mesa até terminar. 

• Houve uma época que podia se estabanar toda que ela não dava a mínima. Hoje é a Rainha do Drama, chora por qualquer besteira. O bom é que um beijinho nosso cura até mesmo machucado de verdade.

• É super preocupada com nosso bem estar, qualquer "ai" que a gente diga, ela corre e pergunta: "tá bem?" e dá um beijo onde nos machucamos.

• É um amor de criança, super carinhosa. Tá sempre dando beijos e abraços.

• É muito sensível e quando triste precisa de um abraço pra ficar melhor, mesmo que ela esteja triste porque acabei de dar uma bronca. Não importa se estou com raiva,  ela vem ainda chorando, com os braços abertos pro meu lado pra se reconciliar.

• É ótima em compartilhar comida, sempre dá um pouquinho pra todo mundo, até mesmo chocolate que ela fica louca de felicidade quando ganha um, mas não nega se a gente pede um pedaço. Já com brinquedos é o oposto, não compartilha e ainda arranca os brinquedos das mãos das outras crianças. 

• Mistura português e inglês. Ainda não sabe distinguir na hora de falar, mas compreende muito bem cada língua separadamente. Usa a estrutura gramatical do inglês (adjetivo na frente do substantivo) quando fala em português. Ex: "Nana casa" pra dizer "a casa da Nana" ou "chocolate leite" pra dizer "leite de chocolate". Conta muitas histórias ainda no idioma dos bebês, soltando uma ou outra palavra que faça sentindo no meio. Ainda não formula frases complexas, mas se comunica muito bem e acho que está ótima pra uma criança bilíngue.

• Sempre pede por favor. Faz muito uso de desculpa e obrigada, fala até mesmo quando não precisa. Agradece por qualquer coisa que considere boa, mesmo que não façamos diretamente pra ela. Pede desculpas até quando somos nós que precisamos pedir desculpa a ela, e também quando ela não tem culpa nenhuma.

• Nos chama, contra nossa vontade, de pai e mãe, ao invés de papai e mamãe.

• Conta até 10 (em inglês), mas sempre pula o 7. Reconhece escrito os números 9 e 10.

• Conhece as cores laranja, azul, verde, amarelo, roxo, preto, vermelho e marrom.

• Conhece as formas círculo, quadrado, oval, triângulo,  losango, estrela e coração.

• Dorme sozinha em sua cama.

(Ela está indo super bem em ficar na cama. Na hora da soneca quando falo que é hora de escovar os dentes ela já sabe e sem reclamar ela mesmo fala: "agora dormir". Escova os dentes, escolhe um livro pra ler e vai pra cama, quando saio do quarto ela fica lá quietinha e dorme. Já à noite ela da mais trabalho, acho que porque o pai ta em casa. Reclama um pouco, sai da cama às vezes, mas quando finalmente aceita, ela dorme numa boa.)

• Deixa a mãe a ponto de explodir de tanto amor!