14 fevereiro, 2013

Escolinha da mamãe

Como vocês sabem, Leah não vai pra escola ainda. Aqui o mais cedo que se fala em (pré) escola é com 3 anos. Sendo mais comum começar pré-escola aos 4 e o jardim da infância só aos 5. A pré-escola não é obrigatória, consequentemente, não existe pública, sendo comum as crianças ficarem em casa com as mães até os 5 anos. Mas existe um série de coisas que é esperado que a criança saiba antes de entrar no jardim de infância.

Eu, como mãe em tempo integral que muitas vezes não sabe o que fazer pra entreter a cria o dia todo, acho que 4 anos com ela em casa é de bom tamanho. Marido, que não frequentou pré-escola, assim como nenhum dos seus 4 irmãos, acha que é um (alto) gasto desnecessário. Nós dois concordamos que não há nada na pré-escola que Leah não possa aprender em casa. Mas não é o que ela vai aprender, mas sim a ocupação e o tempo fora de casa que me atrai. Ainda não temos nada decidido quanto a isso, mas uma coisa é certa: eu tenho a responsabilidade e dever de ensiná-la nesse tempo que ela fica em casa comigo, independente dela ir pra pré-escola ou não.

Quando Leah estava pra completar 2 anos eu achava que devia me empenhar mais nisso, organizar "aulinhas" e ter um momento mais didático diariamente. Com minha dificuldade de planejamento e de seguir rotina isso ficou só na idéia. Recentemente conversando sobre esse assunto com marido, comecei a pesquisar sobre pré-escola em casa, querendo saber exatamente o que é esperado que a criança aprenda em preparação à escola. Me senti atrasada ao ver tabas mães bem engajadas na educação dos filhos, começam desde cedo as atividades, super bem organizadas, incentivando o desenvolvimento em todas as áreas. Planejamento e materiais preparados com antecedência, um tempo certo reservado para as atividades educativas. Rotina. Me senti sobrecarregada com a idéia de fazer a pré-escola em casa.

Mas, apesar de eu nunca ter feito nenhuma atividade aqui pensando "isso é em preparação à escola", percebi que desde sempre eu tenho ensinado Leah em casa. Sempre procurei por atividades que incentivasse o desenvolvimento de alguma forma, mesmo que não fazendo rotineiramente. Sempre procurei maneiras diferentes de intertre-la. Crianças aprendem brincado, e foi isso que sempre procurei pra Leah: oferecer oportunidades pra brincar e se desenvolver. Nunca sentei pra fazer um planejamento educacional, nunca separei um determinado período do dia pra ensina-la uma coisa em específico. Mesmo assim ela conhece cores, formas, sabe contar, sabe se comunicar, etc. Porque isso se aprende no dia a dia, nas brincadeiras, naturalmente. Nessas pesquisadas acabei conhecendo uma "metodologia" que tem tudo a ver conosco e que eu já estava praticando sem nem saber, Tot School.

Tot é uma abreviação pra toddler - crianças entre 1 e 2 anos. Tot School foi um nome dado por uma mãe (na verdade por seu filho mais velho) para a rotina que ela fazia com seu toddler. Como muitas mães seguem essa rotina, o termo se popularizou. Tot School nada mais é do que promover aprendizagem através de diversão. É um momento do dia focalizado na criança. Nada é forçado, não se trata de impor, e sim de expor a criança ao aprendizado. O objetivo é se divertir e desenvolver paixão pelo aprendizado, o resto é secundário.

Me identifiquei com o Tot School logo de cara. É justamente o que acredito, o que procuro e o que tenho feito aqui em casa. Fiquei cheia da vontade de ter uma rotina, planejar e preparar as atividades como essas mães bacanudas daqui. Mas a verdade é que eu simplesmente não consigo fazer a mesma coisa na mesma hora todos os dias. Já tentei várias vezes organizar uma rotina pra arrumação e limpeza da casa, tipo cada dia fazer tal coisa - nunca deu certo. Já tentei várias vezes planejar a refeição de cada dia e nunca consegui. Faço sim um planejamento pra alguns dias, separo as receitas que irei fazer, mas o dia certinho que irei fazer cada uma... não rola. Pra mim isso de se fazer sempre as mesmas coisas em um dia, em um momento pré-determinado, é impossível. Sempre vai ter um dia fora da rotina que vai bagunçar com todos os outros.

Mas não quer dizer que eu precise ter uma rotina. Eu posso fazer do meu jeito, do jeito que já venho fazendo. Não temos hora certa e nem planejo no dia anterior as atividades que vou fazer com Leah, elas aparecem naturalmente quando dá, quando preciso de uma novidade pra distrair Leah, e ela esta constantemente aprendendo/ se desenvolvendo.

O que Leah precisa, todos os dias, é que eu tenha tempo pra ela, só pra ela. Quando eu sento no chão disposta e focalizada em somente brincar, já estou promovendo o aprendizado nas brincadeiras que ela mesma sugere - massinha, tintas, blocos, quebra-cabeças, bola, etc. - não preciso ter uma atividade preparada em mãos, qualquer brincadeira estimula diferentes áreas do aprendizado e é no meio delas que a gente fala sobre cores, formas, números, o céu, a Terra e o universo.

Estar presente é a melhor forma de ensinar.

******

To be continued... 

19 comentários :

  1. eu tbm acho que é brincando que se aprende! Vc está no caminho certo e tenho ctz que no caminho mais divertido para Leah =)

    Lavinia tbm vai aprendendo aos poucos, assim como vc comentou... sabe contar, sabe algumas cores e tudo com coisas do dia a dia, em brincadeiras. Aprendeu a contar subindo a escada, é assim mesmo...

    beijos beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, esses momentos simples do dia a dia oferecem bastante pro aprendizado. Beijos

      Excluir
  2. Vc conhece o grupo e o mètodo montessori. ê otimo, super recomendo- se te interessa- a pesquisa.
    No mexico vejo q è mto comum as crianças nao irem a escola ate com mais de 6 anos, seja pq moram em lugares de dificil acesso, ou seus pais preferem educa-las assim, acho tao bacana isso.
    Compartilhar se aprende todos os dias se tem vizinhos pra brincar...entao nao è questao de ir a escola aprender a compartilhar, embora existam sim crianças q nao tem irmaos nem vizinhos com os quais seus pais se entendam, enfim...pra eles sim acho essencial, ma gosto tbm do metodo de ensino em casa.
    E barriguinha???ja esta com 36 semanas e alguns dias neh? vi pela data da postagem anterior outro dia.
    lembrei de vcs e fiquei me perguntando como serà q vcs estao, curtindo essas ultimas semanas de barriguinha :)
    bjussssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, já vi bastante sobre Montessori e adoro tudo. Estou com 37 semanas agora e curtindo mesmo porque já já ela nasce e aí não vou curtir nada nada a barriga da vez... hahaha Beijos

      Excluir
  3. AAAH, cada família com seu jeitinhooo...e pelo que leio...o seu é um jeito muuito carinhoso de ensinar e cuidar dela...tá certinhaaa!!!
    só nós mães sabemos o melhor para nossas crias...
    bjos
    perolasdealanis.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Camila, a gente que sabe mesmo. Beijos

      Excluir
  4. Catarina esta com 2 anos e ainda não freqüenta escola. Falo ainda porque isso não é tão comum por aqui...
    Eu gestão dessa situação e faço exatamente a mesma coisa que você. Ensino brincando, no ritmo dela. Tranquilo sem pressão, sem horários... Foi assim que funcionou aqui em casa também,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Paula, sem contar que é um prazer poder ensinar brincando com os pequenos não é? Beijos

      Excluir
  5. Amiga, acho que vc tá super certa! Eu não imaginei colocando o Enry na escola aos 3, mas, nesse país vc sabe como e', nem opção de lazer/educativo temos direito. Parece que as crianças só podem socializar na escola, pq a insegurança quase não permite que vc de bom dia ai vizinho!

    E fora que o Enry não aprendendo nada pedagogicamente, que em casa não pudesse, aprender tbm...

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo Ivna, cada lugar com sua realidade e no Brasil é complicado mesmo. Aqui não tem escola, mas tem programas e atividades pra crianças pequenas aos montes.

      Excluir
  6. O pessoal deve prever uma hora específica pq deve ter gente que não faz se não tiver um horário pré-determinado. Se funciona para vcs duas assim, ótimo, não é? Até pq manter uma rotina regrada com a chegada de um novo baby vai ser complicado, pelo menos no início.

    bju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai mesmo Liza, por isso que não vou nem tentar... Hehe Mas pra brincar não tem hora marcada e dá sempre pra ensinar brincando. Beijos

      Excluir
  7. Imaginei mesmo que vc fizesse isso com a Leah. Que legal Dayane! Precisamos gerenciar bem o nosso tempo, não é mesmo? Acho isso bem interessante, mas também gosto da possibilidade da interação entre as crianças. Acho importante esse espaço de socialização (pelo menos, olharem... verem outras crianças), já que no início dificilmente interagem propriamente com o outro. Mas é isso mesmo! Se funciona para vcs maravilha!!!!
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Celi, a socialização é um aspecto do desenvolvimento que não pode ser esquecido. Mas existem várias alternativas - levar a criança pra brincar em parquinhos, na casa de um amiguinho, etc. Aqui se faz muitos playgroups/ playdates. Beijos

      Excluir
  8. Dayane. Laura entrou na escola aos 2 anos e 2 meses. Se fosse hoje eu não colocaria na escola tão cedo. Porém, por aqui a pressão é tão grande que a própria criança se sente diferente por não estar na escola. Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A pressão é grande mesmo, quando eu estava aí todo mundo perguntava se Leah já ia pra escola. Uma pena, mas é parte da cultura, todo mundo acha que a criança tem que ir pra escola desde cedo.

      Excluir
  9. Eu penso do mesmo jeito e nao pretendemos colocar a Daphne na pre-escola. Tou ensinando em casa e acho que ta perfeito assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal Kátia, e pelo jeito você ta fazendo super bem, a Daphne é muito esperta, adorei o video dela falando o ABC!

      Excluir